Share on whatsapp
Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on email
Share on print

22/3, segunda-feira

Rm 14.9

Por esta razão Cristo morreu e voltou a viver, para ser Senhor de vivos e de mortos.

O evangelho vai além de apresentar o fato e o significado da cruz e da ressurreição, também apresenta o seu propósito

A afirmação “Jesus é Senhor” é o mais primitivo, mais curto e mais simples de todos os credos cristãos. Aqueles que reconheciam este senhorio eram batizados e recebidos na comunidade cristã.

Rm 10.9

Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo.

1Co 12.3

Por isso, eu lhes afirmo que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: “Jesus seja amaldiçoado”; e ninguém pode dizer: “Jesus é Senhor”, a não ser pelo Espírito Santo.

Por mais inadequada que pareça, ou até mesmo um tanto simplistas a primeira vista, Kyrios lesous “Senhor Jesus”, são palavras impregnadas de significado, com enormes implicações, tanto para a fé como para a vida cristã.

Elas expressam:

  1. uma profunda convicção teológica acerca do Jesus histórico, e,
  2. um radical comprometimento pessoal com ele, como consequência disso.

 

Fp 2.9-11

9 Por isso Deus o exaltou à mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome, 10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, no céu, na terra e debaixo da terra, 11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai.

Há aqui três pontos a destacar:

1.   Paulo deu a Jesus um título divino

Isto é, referiu-se a ele como “Senhor”.

Quando os discípulos usavam em relação a Jesus a palavra kyrios, não era somente uma forma educada de tratamento; era um título. O mesmo título que era dado a Deus no AT. E ao fazer isso queriam dizer que “Jesus é Deus”.

2.   Paulo transferiu para Jesus um texto divino

Is 45.23

Por mim mesmo eu jurei, a minha boca pronunciou com toda integridade uma palavra que não será revogada: Diante de mim todo joelho se dobrará; junto a mim toda língua jurará.

Paulo tem a audácia de extrair este texto de Isaías, onde é Deus quem está falando, e reaplicá-lo a Jesus. Assim ele dá a honra que o profeta disse ser devida a Javé, a Cristo

3.   Paulo reivindicou para Jesus uma adoração divina

Confessar com a língua que ele é Senhor, dobrar os joelhos são certamente expressões de culto. A cristolatria (adoração a Cristo) e a cristologia (doutrina de Cristo) andam juntas. Mas, se Cristo não é Deus, então cristolatria seria idolatria, como Atanásio percebeu claramente no século IV ao argumentar contra a heresia ariana que dizia ser Cristo um ser criado.

Os autores do NT nem argumentaram se era certo ou não identificar tão ousadamente Jesus como Deus, pois não havia necessidade alguma de o fazerem.

ORE:

  • Reconhecendo o senhorio de Jesus Cristo sobre a sua vida e sobre todo o Universo.

ORE POR:

  • Carla e Família;
  • Pr. Jone e Leide (IEB Pilões)
  • Miss. Andrea da Conceiçao dos Santos Almeida – Radical Cristolandia;
  • Miss. Rosalie Marena – África;
  • Congregação Batista no Ernani Sátyro – João Pessoa;
  • Orientação vocacional para os jovens;
  • UPAs

LEIA MAIS A BÍBLIA: